MAIS ACTUAL BLOG

Rui Costa Pinto - Jornalista/Editor/Publisher

terça-feira, outubro 17, 2017

Costa e o marketing rasca

Em política não há coincidências. E o que parece é. A visita de António Costa à Unidade de Queimados de Celas dos Hospitais Universitários de Coimbra pretendia, porventura, mostrar aos coitados dos cidadãos que o primeiro-ministro está muito preocupado com vítimas que escaparam com vida aos incêndios. Mas o problema é que uma instituição oficial veio estragar o marketing tão refinado quanto rasca: o «Tribunal de Contas acusou o ministério da Saúde de falsear listas de espera, dificultando o acesso a consultas e cirurgias nos hospitais públicos. O relatório de auditoria demonstra ainda que aumentou o tempo de espera para a primeira consulta de especialidade e do tempo de espera pela primeira cirurgia».

Não é aproveitamento político: é respeito, é pudor, é sentido do dever

Cinzas e luto

«A desorientação na Proteção Civil chegou ao primeiro-ministro e isto é grave».

Que Mário Centeno não nos caia em cima

Estado de calamidade permanente

Mais de 60 mil hectares depois não há fogo

«Hoje é o primeiro de três dias de luto nacional».

Falha imperdoável

«António Costa está a dar um péssimo exemplo de impunidade no Estado ao segurar a ministra. Se em Pedrógão as falhas são inaceitáveis, desta vez são imperdoáveis». 

Rio e ... Mudanças

What else?

segunda-feira, outubro 16, 2017

O “DN” e a defesa de José Sócrates

Costa... E o poder

Poderia um político que chegou a primeiro-ministro depois de uma derrota eleitoral ter uma atitude politicamente digna no momento em que era indispensável pedir desculpa publicamente e sair pelo seu próprio pé? Não, claro que não! Estamos em Portugal! E António Costa continua agarrado ao poder... Pelo poder, obviamente!

Estratégia... E indecência

Por um segundo, vale a pena imaginar que António Costa tinha demitido Constança Urbano de Sousa depois da calamidade de Pedrógão! E até questionar: o que poderia o PM fazer, hoje, depois dos incêndios que mataram mais 32 pessoas e deixaram 56 feridos e sete desaparecidos? O mais extraordinário é que ainda existe, na esquerda ou na direita, nas redacções ou nos corredores do poder, quem continua a tentar justificar a incúria e/ou a elogiar um tão apurado sentido estratégico...

Entre os pingos da chuva

Marcelo... E?

O presidente da república cancelou a agenda até quarta-feira!
NÃO CHEGA!
É POUCO!
BASTA DE ATITUDES SIMBÓLICAS!

E a farsa continua...

Incêndios: quantas mortes mais são necessárias?

Repetimo-nos? As vezes que forem precisas

Dom profano

«O papel da Justiça é importante para fazer estes gangsters seletos pensarem duas vezes, mas nada substitui a ação de reguladores que realmente regulem, de jornalistas que questionem em vez de venerarem e de cidadãos que se recusem a votar em pessoas como estas».

What else?

domingo, outubro 15, 2017

Os Cúmplices Disto Tudo


Uma escuta aqui...


Pedrogão e (demissão) Costa

Fora Portugal uma verdadeira Democracia moderna, com um presidente da República para levar realmente a sério, e António Costa já teria sido forçado a apresentar a demissão após a divulgação do relatório sobre a tragédia de Pedrógão. Não, não é só por causa dos 64 mortos, mas também pelas suas responsabilidades na última década como ministro da Administração Interna. Pobre Constança e afins... Querem exemplos noutros países da Europa?

Pedrógão. Uma tragédia que pode salvar vidas no futuro

À espera de quê?

Braço direito de Lula terá recebido luvas da PT

Os instrumentalizados

What else?

sexta-feira, outubro 13, 2017

Alimentar a besta

«Seja Sócrates condenado ou não, uma coisa já é certa: os seus governos foram os mais totalitários da nossa democracia e atraíram oligarquias e a camorra como traça à luz. Talvez se faça justiça. Menos provável é que a nata se veja ao espelho, meta a mão na consciência e não a estenda para dar de comer ao próximo animal».

Sinais de vida

«Quando José Sócrates foi detido, começou o contra-relógio: falo de políticos ou comentadores que, dia sim, dia sim, perguntavam pela acusação. A manobra era óbvia: condicionar o trabalho da justiça. Mas era também mentecapta: os mesmos que denunciavam o atraso da acusação desconheciam por completo a dimensão (e a complexidade) do processo». 

À volta de Sócrates: ensaio sobre a cegueira voluntária

Os caminhos cruzados de Rio e Costa

Eureka! Temos Acusação! E agora?

À espera de Portas

Amigo de Sócrates, com honras de ser recebido ao almoço em São Bento, a partir da maioria absoluta de 2005, deve ter muito que dizer. Nem que seja sobre a Venezuela...

Podemos passar pelo “caso Sócrates” sem tirar lições?

Sócrates só pode ser julgado pela história?

What else?

quinta-feira, outubro 12, 2017

PS a uma só voz

«Não é normal que o PS faça de conta que não é nada com ele».
Henrique Neto ao i.

Os antigos donos disto tudo já sabem ao que vão...

Salgado e Sócrates

Simplesmente arrasador!

E a Operação Marquês ainda tem muito mais para revelar, designadamente os indícios/factos que estão a ser investigados no âmbito de 15 certidões extraídas.

Os donos que vendiam isto tudo


What else?

quarta-feira, outubro 11, 2017

Sócrates e ... Manganões enganados

Depois de tudo o que li e ouvi sobre a Acusação que resultou da Operação Marquês, chego à conclusão que existe uma nova classe de "vítimas" na cena mediática e política: os manganões enganados.

Rio e... Sinais

A marcação do anúncio da candidatura de Rui Rio para o dia em que foi conhecida a Acusação do processo Marquês é muito mais do que uma coincidência. É revelador que o candidato à liderança do PSD está fora, mesmo muito fora, do sistema. É um bom sinal.

A montanha não pariu um rato

No final só pode haver um

Santana e... Dark

Santana Lopes anunciou, publicamente, a sua candidatura à liderança do PSD no espaço de opinião que tem na SIC. É lamentável, mas foi uma escolha. Mas ainda mais sombrio foi uma das razões invocadas: a necessidade de fazer, entre outros, «pactos para as Obras Públicas»! É um mau começo. E muito Dark se visto à luz do anúncio da Acusação da Operação Marquês no dia seguinte.

José Sócrates acusado

Passos e... Aflições

Marcelo já teve que vir a público explicar que o almocinho com Santana não significa preferência e/ou apoio. Quem diria... À espera de um Rio...

Suspenso, logo existo

Catalunha: certezas e incertezas

What else?

terça-feira, outubro 10, 2017

Passos e... Restart

Escolher, assumir e afirmar prioridades, sem maquiavelice de pacotilha.

P. S. Em relação a ditirâmbicos, dichotes e demais canalhas avençados e ressabiados... Desprezo!

Catalunha: nem só de pão legal e razão formal vive o homem

Passos e... Confirmação

As lutas de bastidores já estão a revelar quem é quem!

Testar a influência das redes sociais nas eleições

«As redes sociais e a opinião publicada se acham sempre mais influentes e mais representativas do que realmente são. Nesse sentido, parecem-se».

Dois anos para fazer o que ainda não foi feito

É só para avisar que vou mudar de sexo

«Irá António Costa voltar a vender a alma ao diabo?»

What else?

segunda-feira, outubro 09, 2017

PSD: o futuro é já ali

A bala de prata de Santana. Será que acerta?



Santana em Belém

O título diz tudo: «Pedro Santana Lopes reuniu-se com Marcelo Rebelo de Sousa esta segunda-feira em Belém». Do candidato e... do presidente.

Indignidade do Estado

«Daqui a dias passam quatro meses sobre a horrível tragédia de Pedrógão Grande». 

Conserva familiar

«As personagens são tão vítimas como vilões numa sociedade absolutamente estratificada».

Passos e.... Sorte

Insegurança e falta de carácter: quem assiste aos sucessivos avanços e recuos só pode expressar votos de sorte, porque vai ser, mesmo, muito necessária no futuro. Quanto tempo perdido...

Como os media gostam do ‘sistema’

«O entusiasmo editorial por [Rui] Rio contrasta com o desapreço editorial por Passos [Coelho]».

What else?

domingo, outubro 08, 2017

Pastel de Nada


A Geração-Subsídio

«A regra mostra novas gerações incapazes, indolentes, preparadas para viver com salários baixos ou, melhor ainda, subsídios. Os jovens portugueses são cada vez menos, estão mal preparados e desistem com muita facilidade perante graus de exigência produtiva apontados a padrões elevados. Se António Costa quer lançar acordos de regime para a próxima década, convém encontrar parceiros que, indo para lá das obras públicas, sejam capazes de enfrentar esta que é a maior doença da nossa sociedade. Uma doença profunda que leva Portugal em lenta agonia até ao inexorável desaparecimento».

Como é que isto vai acabar?

«Como sairemos disto? Provavelmente com uma fuga em frente».

PSD. Um candidato prestes a saltar, dois à espreita e um clássico

Novos sonâmbulos ibéricos

A estatística e a política

Tectónica e Governo à Esquerda

A tentação de António Costa: eleições antecipadas

What else?

sábado, outubro 07, 2017

A última hipótese

O drama do PSD

Marcelo e Costa

«As autárquicas inauguraram a luta que interessa: entre a maioria que Marcelo tem e a maioria que Costa deseja».

“É hora de agir”

Um slogan perfeito para os dias que correm. E que diz tudo sobre Rui Rio.

Santana decide até domingo. Porque recuaram Montenegro e Rangel?

É Sábado! What else?


sexta-feira, outubro 06, 2017

PCP: a culpa é sempre dos outros

SIC: 25 anos

Parabéns!

Descongelados

O glutão Costa

«A geringonça dificilmente fugiria a um fim feio. Costa vai, certamente, dar-lhe um toque de urbanidade».

Tirar o chapéu

«A obstinação de Passos salvou o País – e cegou-o na oposição».

O direito deles

Passos e ... Ruptura

Há opções e decisões que custam, pessoal e/ou politicamente, como fazer uma ruptura para abrir um novo ciclo e uma outra janela de oportunidades. Mesmo sabendo que tem de pagar o preço da incompreensão de quem caminha olhando só para o seu próprio umbigo.

A política depois de Passos Coelho

What else?


quinta-feira, outubro 05, 2017

Sim, a Catalunha também é connosco

Manter o rumo!

Um exercício aritmético

O adeus de Passos Coelho

What else?

quarta-feira, outubro 04, 2017

O país um dia fará justiça a Passos Coelho

Fernando, somos menos agora

«Morreu um dos nossos. Fernando Diogo. 64 anos, jornalista, esteve muitos anos no Expresso. Quem o conheceu nunca se vai esquecer dele».

É agora camarada Jerónimo

Os resultados do PCP são um enorme empurrão ao líder do PCP.

One man tchau

Barcelona. Até a Sagrada Família fechou na greve geral

Jerónimo descarta "geringonça" em Lisboa

Passos vs Rui Rio

Esquerda, direita e vice-versa

What else?


terça-feira, outubro 03, 2017

Filipe VI já era

Nunca a monarquia espanhola esteve tão perto do fim. O discurso desastroso e desastrado de Filipe VI só vai servir para cumprir o sonho da Catalunha independente. Longe vão os tempos da prudência e do timing de Juan Carlos, consciente que um rei, no século XXI, é uma espécie de Marcelo Rebelo de Sousa moderno, com muitos abraços e afectos. A resposta não tardou: «Puigdemont diz que vai declarar a independência da Catalunha nos próximos dias».

Santana Lopes admite

Candidatura à liderança do PSD... Acumulando com a Santa Casa e, porventura, com um tacho em perspectiva no Montepio? Será que o ridículo (jogo político) não tem limites? Assim, não!

Passos e... Next

Confunde convicção e resistência com oportunismo e servilismo. Como qualquer pequeno-burguês complexado, com ambições megalómanas e laivos de marialva e/ou de marginal da treta de bairro, fantasia com os holofotes da ribalta, está disponível para os golpes, não gosta de ser topado e odeia ficar apeado. É a base do aparelho partidário, que resulta do caciquismo reinante nos partidos políticos tradicionais, um modelo tantas e tantas vezes replicado no seio de sociedades amorfas e ignorantes e grupelhos insignificantes. Conviver com eles é uma enorme maçada! Next...


O desastre anunciado

Das autárquicas às próximas legislativas

Direito à autodeterminação, mas só às vezes?

PSD: o partido em que eu acredito

Prevenir é solução

«Período de nojo para permitir transição do público para privado».

"Sim" à independência da Catalunha vence

Passos Coelho, Ulisses e os porcos

segunda-feira, outubro 02, 2017

Tudo somado…

O tsunami que afundou PSD e PCP

What else?

Marcelo acertou: há um novo ciclo à direita

Geringonça em perigo por causa de autárquicas

Carlos Carreiras: doce e amargo

A vitória em Cascais, com maioria absoluta, não faz esquecer o papel desempenhado como coordenador autárquico dos social-democratas.

Cristas: um exemplo na política

A líder do CDS/PP está de parabéns! Foi a figura política da noite eleitoral. E o CDS/PP ganhou o brilho de outros tempos, sem ter tido necessidade de recorrer a golpes e a tacitismos bafientos. É um exemplo para a classe política: arriscou, trabalhou e ganhou. E mais: não se lhe conhecem casas adquiridas, vendidas às escondidas ou com o rabo de fora, nem submarinos submersos em luvas e comissões, nem negócios escuros revestidos com o verniz da legalidade.

Costa ganha novo ciclo político


Não há desculpas


Em política o que parece é

Pedro Passos Coelho perdeu. E fez o discurso certo, numa noite eleitoral cujo desastre ultrapassou todas as expectativas. Resta, por mais justo ou injusto, pessoal e politicamente, que tire as devidas consequências. E liberte o PSD para atravessar o longo deserto que tem pela frente.

domingo, outubro 01, 2017

É Catalunha! What else?

Governo catalão fala em mais de 300 feridos

Sarajevo 1992 - Barcelona 2017

Cegueiras ideológicas


Catalunha: imagens do referendo

A luta continua!

What else?

sábado, setembro 30, 2017

Imunidade diplomática: o caso do vice-presidente de Angola

Rui Moreira: não voto

«Os negócios efectuados com contratos de confidencialidade até podem ser legais, mas estão vedados – ou deveriam estar, numa Democracia digna desse nome –, a quem exerce cargos públicos pelas mais óbvias razões. E já nem é preciso falar das árvores centenárias, certamente acometidas de súbita doença fulminante. De facto, não é igual vender uma propriedade a um empresário como Belmiro de Azevedo, ou a um qualquer “PEP” (Politically Exposed Person), ou "Pessoa Politicamente Exposta", nos termos da definição da FATF (Financial Action Task Force), que é uma organização inter­-governamental cujos objectivos são estabelecer padrões e promover a aplicação efectiva das medidas legais, regulamentares e operacionais para combater o branqueamento de capi­tais, entre outros, de que Portugal é membro desde 1991. Sejam eles, por exemplo, eventualmente, Sindika Dokolo ou Isabel dos Santos. Se não há crimes perfeitos, também não há segredos acima de qualquer escrutínio».

sexta-feira, setembro 29, 2017

Hugh Hefner: o libertário, o feminista, o misógino, o playboy supremo

What else?

Mais Marquês, menos secretas

PGR garante cumprimento do prazo. Com secretas de fora.

A questão catalã de Maragall a Rajoy

O Mirante não aceitou a censura judicial...

«O Supremo Tribunal de Justiça (STJ), tendo-se debruçado sobre o seu caso, no passado dia 13 de Julho, os juízes conselheiros Lopes do Rego, Távora Victor e António Piçarra. Apesar da ofensa à sua dignidade e dos sofrimentos e prejuízos que o advogado alegava, o STJ manteve a absolvição de O Mirante e dos seus jornalistas até porque, em termos das decisões do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, seguramente que a condenação de O Mirante e dos jornalistas em Portugal viria a determinar a condenação do nosso país em Estrasburgo e a termos de pagar — todos nós, contribuintes — uma indemnização ao jornal e aos jornalistas. Para o STJ, a dignidade humana de que fala a nossa Constituição não abrange apenas a honra de cada um mas inclui, também, o que me parece estar inequivocamente correcto, “a ausência de mordaças”».

Ao futuro dos candidatos

Passos, Rio e o pimpampum de Marcelo

Portugal no Faroeste

Catalunha: a luta continua

Espanha vive um momento histórico. E a Catalunha pode fazer regressar o respeito constitucional pela soberana vontade popular, e não o respeito do povo pela ordem constitucional estabelecida. Porque o voto tem de contar.

Quando os políticos abandonam as entrevistas a meio

quinta-feira, setembro 28, 2017

What else?

Santos Silva: o regresso do velho

O ministro dos Negócios Estrangeiros insiste no descaramento e no insulto à inteligência dos portugueses. Aqui e ali, lá se vão repetindo os tiques arrogantes e os truques do passado. 

"Bruxo da Areosa" acusado de estrangular empresário

«Tribunal ouviu confissão de dono de armazém».

Quem teme o poder do voto?

Partido barriga de aluguer


Costa irritado com a pergunta

Vítima da Máfia de Braga foi estrangulada por bruxo

«Confissão de Hélder Moreira vale como prova».

12 apelos autárquicos

quarta-feira, setembro 27, 2017

Angola e o ridículo informativo

A generalidade dos jornalistas que cobriram a tomada de posse de João Lourenço destacaram as palavras presidenciais contra a corrupção e a favor da liberdade de imprensa. E nem uma palavra sobre o facto do novo presidente ser um homem de confiança do ditador José Eduardo dos Santos. É caso para dizer: é preciso ter lata, ou então, é a vidinha...

What else?

Jardim-de-infância à beira-mar plantado

O poder autárquico é o poder menos sindicado da nossa democracia

O pior 'crash' da nossa vida está a chegar

Instituições e rivalidades

«A independência dos bancos centrais face aos governos é um dos pilares do euro».

Luís Andrade de Sá

Há amigos e jornalistas. Raramente respeitamos ambos.
Ler +
«Jornalista e conhecedor de novos mundos».

MP: dois pesos, duas medidas

André Ventura foi ouvido pelo Ministério Público na sequência de declarações políticas realizadas no âmbito de uma campanha eleitoral. Por sua vez, o primeiro-ministro de Portugal (não-eleito pelo povo) faz uma declaração a acusar terceiros de terem forjado um documento atribuído à secreta militar. E, até agora, nem um comunicado da Procuradoria Geral da República... Palavras: para quê? É o MP português...

O referendo na Catalunha

Licenciados no ridículo

Estado, empresa, partido

«É sempre o munícipe quem paga a taxa municipal de corrupção».

Secretas: com Costa tudo é possível

terça-feira, setembro 26, 2017

Tenham medo, tenham muito medo

What else?

As eleições de André Ventura

Marcelo em Angola: a quem muito se abaixa

O rabo lhe aparece.

Do referendo na Catalunha às eleições na Alemanha

Catalunha: legalismo, Europa e Portugal

A gula absoluta do "centrão"

Rouba, mas faz? Mas rouba!

«O político corrupto 'faz obra' para roubar, para poder continuar a roubar».

O desafio de Merkel


Carta da América